História das touradas em Portugal

Partilha este artigo. Ajuda a sensibilizar:

5. As touradas e a escravatura

Como já foi referido, durante muitos anos, as touradas incluíam distrações nos intervalos para entreter o público e como forma de atrair pessoas às praças. Por vezes, esses divertimentos extra eram anunciados como uma “surpresa” e, a maior parte das vezes, tratavam-se de práticas bastante bárbaras e desumanas que envolviam outros animais (incluindo gatos, cães ou cabritos), mas também seres humanos, normalmente escravos das colónias portuguesas, forçados a representar cenas pouco dignas da condição humana num espetáculo público.

Escravos em touradas.
Escravos em tourada no século XVI.

Desde o século XVI que era recorrente a utilização dos escravos nestes intervalos, como forma de divertir o público e como um chamariz exótico para as corridas de touros. Isto continuou a ocorrer durante o século XIX, existindo vários registos destes divertimentos, alguns deles condenados pelo seu grau de violência e desumanidade, uma vez que os escravos eram largados na arena em frente aos touros, o que dava origem a colhidas com sangue e até mortes perante os risos e aplausos da plateia.

É o caso dos acontecimentos ocorridos na praça de touros da Nazaré, dos quais não existem muitos detalhes, mas que, segundo as crónicas da época terá sido semelhante a outros que aconteciam com alguma frequência noutras praças de touros do país.

No Diário do Governo no dia 1 de outubro de 1844, é referido um requerimento apresentado pelo Bispo de Elvas, onde é descrito este episódio e a sua relação com a escravatura, pedindo que o Governo intercedesse para que não se voltasse a repetir: “Asseverando-se que no dia 14 do corrente mês, durante uma corrida de touros , que houve na praça de lugar da Nazaré, alguns homens pretos foram ali tratados com extrema barbaridade; requeiro que se recomende ao Governo que preste particular atenção a tal ocorrência, e a que procedimentos semelhantes aos indicados, se não pratiquem para o futuro. (…) Que a maior parte dos Membros da Câmara saiba o que se praticava com estes infelizes nas praças de touros, onde eram tratados pior que os animais.”.

A intervenção prossegue com referência a uma rede de tráfico de escravos com origem em África e com destino ao Brasil, que passava por Portugal, exigindo que fosse investigada a origem destes seres humanos usados como diversão nas praças de touros.