Toureiros admitem doping e instrumentos cruéis em cavalos de toureio

Partilha este artigo. Ajuda a sensibilizar para esta causa:

Toureiros acusam: há doping nas arenas!” é o título de um polémico artigo publicado pelo “Farpas” (líder da informação taurina) na sua versão online, referindo a um debate integrado no “I Fórum Nacional da Cultura Taurina” que foi promovido pelo “Sector 1 – Pró Toiros de Morte” no salão nobre do Campo Pequeno.

I Fórum Nacional da Cultura Taurina.

Segundo as informações publicadas no “Farpas”, quando se discutia a possibilidade da presença de mais médicos veterinários nas praças de touros para assegurar o bem estar dos cavalos e dos toiros, os cavaleiros tauromáquicos João Salgueiro e Duarte Pinto puseram “o dedo na ferida” ao referir que, quando isso acontecer, muitas corridas vão deixar de se poder efetuar e 75% dos cavalos podem ser impedidos de entrar na arena.

A intenção da DGAV é colocar médicos veterinários nas praças de touros para inspecionar e assegurar o estado de saúde de todos os cavalos que vão intervir na corrida, com autoridade para não autorizar a atuação de animais “que não estejam em perfeitas condições de saúde”. “Um cavalo, como uma pessoa, pode estar com febre, pode estar doente e pode não se encontrar em condições perfeitas para tourear”, explicou a veterinária da DGAV presente no debate. Além disso esses veterinários acompanharão também o tratamento dos touros após as corridas assegurando o bem estar dos animais nas horas que se seguem ao final das corridas (Nota: estas medidas nunca foram implementadas).

Em resposta a estas declarações da veterinária da DGAV, o cavaleiro tauromáquico João Salgueiro referiu que é importante que isso aconteça “sobretudo no que aos cavalos diz respeito”, mas deixou um aviso: “…se isso for para a frente, duvido muito que alguma corrida mais se volte a realizar…”, segundo a citação publicada pelo “Farpas”, acrescentando que “Era importante que começasse a haver um controlo de doping aos cavalos de toureio, antes e depois das corridas, assim como o há noutras modalidades equestres. No mundo dos toiros isso nunca aconteceu e era bom que passasse a acontecer…”.

Por sua vez Duarte Pinto acrescentou que “Se isso passar a ser feito, 75 por cento dos cavalos vinham embora das praças e não eram autorizados a tourear… pela simples razão de que muitas vezes não estão em condições de tourear e mesmo assim toureiam e ninguém dá por isso. Quem manda é o público e seria bom que o público fosse entendido para pôr muita coisa na ordem e protestar contra o uso de gamarras, serretas, etc.”.

Estas declarações polémicas aqueceram o debate entre os aficionados da tauromaquia. No final, o “Farpas” ouviu o cavaleiro João Salgueiro, já no exterior da praça de touros, sobre as polémicas declarações acerca da forma como são tratados os animais, tendo o cavaleiro referido que “Os casos de doping nos cavalos não acontecem apenas nas outras atividades e modalidades equestre. Nos toiros, há muitos anos que isso sucede e que isso se pratica, mas ninguém diz nada, ninguém denuncia nada e tudo ocorre dentro da habitual impunidade pela simples razão de que não há qualquer espécie de controlo aos animais. Se passar a haver, vai cair o Carmo e a Trindade… e, como eu disse, muitas corridas não se vão chegar a realizar”.

João Salgueiro especificou ainda que “As pessoas não se apercebem, mas muitas vezes, muitas mesmo, dão-se substâncias aos cavalos, sobretudo àqueles que atuam muito, para aguentarem a pressão e continuarem a tourear. É por isso que às vezes morrem cavalos sem se perceber porquê… São coisas demasiado graves que sucedem e que era importante acabar com elas”.

As declarações geraram intensa polémica dentro do meio tauromáquico, tendo a Associação Nacional de Toureiros (ANT) emitido um comunicado de repúdio por estas revelações. João Salgueiro também emitiu um comunicado repudiando a tomada de posição pública da ANT sem ouvir o cavaleiro e associado.

Salgueiro referiu ainda no comunicado que nunca referiu no debate que algum cavaleiro dopasse os cavalos ou os maltratasse e que não se opunha a que fossem aplicadas restrições ao uso de serretas, cabos de aço, freios castigadores, esporas, etc. Sobre as declarações ao “Farpas” o cavaleiro desmentiu que tivesse sido entrevistado no Campo Pequeno, e que recebeu um telefonema do jornalista do “Farpas” e que se limitou a responder às perguntas.

Em resposta, o “Farpas” esclareceu que não inventou nada. “Limitou-se, no cumprimento da missão jornalística, a relatar o que de mais saliente e importante foi dito no colóquio”.

Fórum da cultura taurina no Campo Pequeno com Duarte Pinto e João Salgueiro onde se falou em doping nos cavalos.
Cavaleiros Duarte Pinto e João Salgueiro e Paulo Pereira, Relações Públicas da empresa que gere o Campo Pequeno.

Fontes:

Farpas blogue:
http://farpasblogue.blogspot.com/2016/04/toureiros-acusam-ha-doping-nas-arenas.html
https://farpasblogue.blogspot.com/2016/04/o-toureiro-de-quem-se-fala-salgueiro.html
https://farpasblogue.blogspot.com/2016/04/o-esclarecimento-de-joao-salgueiro-para.html
Comunicado ANT: https://faenas.tv/noticias/associacao-toureiros-emite-comunicado-doping-nos-cavalos-toureio