Tourada de gala teve a pior audiência do ano na RTP

Tourada de gala teve a pior audiência do ano na RTP
Share Button

A tourada transmitida pela RTP1 no passado dia 1 de outubro, obteve a pior audiência da época com um share de apenas 10,9%, muito abaixo dos canais concorrentes que à mesma hora atingiram mais de 30%. A corrida de touros emitida em direto, ao longo de 3 horas, a partir da praça de touros do Campo Pequeno, incluiu um cortejo de gala “à antiga portuguesa”, mas não foi suficiente apelativa para o público português, obtendo a pior audiência do ano e uma redução de 123.500 espectadores em relação à primeira tourada emitida a 2 de julho deste ano e menos 66.500 em relação à última transmissão realizada a 4 de setembro.

O Provedor do Telespectador já afirmou que a transmissão de touradas não é serviço público.

A drástica redução das audiências das touradas na televisão, acompanha a redução significativa de público nas praças de touros, que nos últimos 10 anos diminuiu 40% de acordo com as estatísticas oficiais da Inspeção Geral das Atividades Culturais.

A RTP decidiu transmitir em direto 7 corridas de touros este ano, apesar da forte contestação dos seus espetadores que apresentaram milhares de queixas pela emissão deste tipo de conteúdo, pelo seu carácter violento e pelas imagens de maus tratos a animais. O próprio Provedor do Telespectador salientou recentemente o elevado aumento no número de queixas recebidas em relação à emissão de touradas na televisão pública, que considerou não ser serviço público de televisão.

Recorde-se que a TVI já deixou de emitir touradas na sua emissão à semelhança do que acontece com a SIC que também não inclui este tipo de conteúdo na sua programação.

tourada-rtp-audiencias
Audiências do dia 1 de outubro de 2015 – Fonte: GfK/CAEM
Share Button

Tourada na RTP conseguiu a pior audiência da noite

Share Button

Ontem à noite a indústria das touradas sofreu duas derrotas significativas. Não só não conseguiu encher a praça de touros do Campo Pequeno na designada “Corrida de gala” como ainda viu a transmissão televisiva redundar num grande fracasso.

A tourada transmitida em directo durante 3h e 15 minutos pela RTP foi o programa com pior audiência ontem à noite na televisão portuguesa.

Segundo os dados da GFK/CAEM referentes às audiências dos três canais em sinal aberto (RTP, SIC e TVI), a tourada transmitida pelo serviço público de televisão a partir das 22 horas, foi o programa com a pior audiência naquele horário, muito longe dos restantes concorrentes. Observando a tabela das audiências do dia 3 de Outubro, verificamos ainda que a “Corrida de gala” obteve um modesto 19º lugar nos programas mais vistos do dia.

 3 out audiencias

Share Button

Liberdade não rima com tourada

Liberdade não rima com tourada
Share Button

tourada em mocambique_BN

Vista geral do público aguardando início de uma tourada em Moçambique em Setembro de 1937, realizada no âmbito do programa da exposição agrícola.

Nos últimos anos “Liberdade” e “touradas” têm andado juntas na boca dos responsáveis pela industria tauromáquica.

Mas “Liberdade” e “touradas” são duas palavras que não combinam. Desde logo pelo óbvio: porque a liberdade é negada ao principal interveniente na tourada, o touro, muitas horas antes de se dar início ao espetáculo. Em algumas praças de touros as barreiras que cercam a arena foram até aumentadas para garantir a “liberdade” de cravar afiadas farpas num animal encurralado ao qual não é dada possibilidade de fuga de um destino que é certo: a morte.

Este aspeto não foi ignorado pelos nossos decisores políticos que se viram “obrigados” a criar exceções na legislação para permitir que nos nossos tempos, milhares de animais possam ser agredidos em público nas tradicionais touradas. Desde esse momento que a tourada se viu confinada a um canto escuro à margem da evolução da nossa sociedade.

Mas a tauromaquia esteve sempre muito relacionada com correntes ideológicas conservadoras e absolutistas. Mais tarde, a indústria taurina desenvolveu-se dentro de uma classe burguesa tradicionalista e marialva, que alcançou benefícios no período do Estado Novo para cimentar as fundações de uma atividade fora do seu tempo.

tourada antitourada portugal basta

Touro ferido na arena do Campo Pequeno em Lisboa.

Do ponto de vista político, basta recuar até 1974 para perceber que a “Liberdade” nunca rimou com “tourada”. O fim da ditadura em Portugal fez ruir a conservadora industria tauromáquica que precisou de alguns anos para se restabelecer e encontrar espaço na democracia portuguesa. Com a revolução de 1974, a tauromaquia passou mais uma vez do estado de graça para uma situação onde tudo lhe era desfavorável, apesar de se manter a atração pelos touros em algumas regiões do Ribatejo e Alentejo. A tauromaquia, nos primeiros momentos após o 25 de abril, surgiu associada à “reação”, e o argumento da tradição não serviu para justificar a continuação do negócio de exploração de um espetáculo conotado com a fidalguia, o absolutismo monárquico e a ditadura fascista do Estado Novo.

“(…) depois do tal dia em que tantas garrafas de espumoso viram saltar a rolha, neste bem aventurado país toda a gente se pôs a armar em progressista, ninguém se confessa das direitas, a custo aparece um ou outro a proclamar-se do centro, a admitir que tem um primo forcado, ou um bisavô que foi marialva latifundiário.”

“Touros e reacção: Crónicas taurinas da temporada de 1974”. Lisboa: D. L. Petrony, 1975

Estas palavras foram publicadas logo em 1975 no livro “Touros e Reação – crónicas taurinas da temporada de 1974”, e demonstram o clima de pressão que era exercido sobre os mais notáveis e influentes aficionados das touradas no ativo em Portugal.

A tourada deixou de ter na sociedade portuguesa a visibilidade que conseguiu alcançar durante a ditadura do Estado Novo. Alguns toureiros viram-se obrigados a procurar fama nas arenas espanholas e mexicanas, os empresários tauromáquicos deitaram contas à vida, assim como os criadores de touros que com a redução do numero de corridas apostaram na exportação dos touros para outras paragens. As estatísticas da época indicam que o número de touros de lide exportados quase duplicou em 1974, devido à falta de mercado em Portugal.

Touros de lide exportados em Portugal (Sindicato Nacional dos Toureiros Portugueses)
Touros de lide exportados em Portugal (Sindicato Nacional dos Toureiros Portugueses, 1975)

 Os grandes latifundiários do Ribatejo e Alentejo, onde se localizavam as grandes herdades de criação de touros e cavalos, viram-se igualmente ameaçados pelos camponeses revoltados com a sua situação miserável, mas também com a ocupação de propriedades, através da Lei da Reforma Agrária. A este propósito é sugestiva a intervenção do deputados Casimiro dos Santos (PS) na Assembleia Constituinte, em fevereiro de 1976, reagindo às preocupações demonstradas por alguns partidos de direita, pelas ocupações consideradas ilegais e ilegítimas de propriedades agrícolas. “(…) Como não podia deixar de ser, a acompanhar o PPD e o CDS aparece também o PPM, com os seus condes, duques, toureiros e ‘ganaderos’, saudosos das grandes coutadas e das touradas à antiga portuguesa”.

Logo nos primórdios da Revolução as elites do negócio tauromáquico apareciam “encostadas” aos partidos mais à direita, conservadores e monárquicos. A associação da tauromaquia à “reação” ganhou forma logo após a Revolução. Em 26 de setembro de 1974 uma tourada no Campo Pequeno a favor da Liga dos Combatentes, transformou-se num comício de preparação para a manifestação da chamada “maioria silenciosa” de apoio a António de Spínola, ficando a tourada celebrizada como uma tentativa de “contra-revolução” e de repúdio ao programa do Movimento das Forças Armadas. “Viva Spínola”, “Viva o Ultramar”, “Viva a GNR” e “Abaixo o MFA” foram algumas palavras de ordem gritadas nos altifalantes da praça de touros do Campo Pequeno. O próprio toureiro José João Zoio exibiu-se na arena com um dos célebres cartazes verdes da “reação” espalhados pelo país convocando os espectadores para a manifestação da “maioria silenciosa”. Dentro da praça de touros, a corrida foi várias vezes interrompida por manifestações de apoio a Spínola enquanto cá fora, à porta da praça de touros, se gritava “abaixo a reação” e “o fascismo não passará”.

28Setembro 1974 bastaO país vivia um período bastante inquieto de transição para a democracia, com toda a agitação política, a descolonização, eleições, etc…. Os defensores da festa brava tiveram que se organizar e reagir rapidamente à ameaça evidente que o período político representava. O Sindicato Nacional dos Toureiros Portugueses decidiu criar uma “Secção de Controle e Defesa do Toiro e do Cavalo” através da qual faz publicar a “Síntese do valor Económico e Social da Raça Bovina Brava” onde procurou demonstrar, em 1975, a importância do negócio tauromáquico, não só ao nível económico mas também turístico e de solidariedade pela fonte de receita que representava para instituições como asilos e hospitais. “Cuidamos que na pressa justificada de se recuperar tempos e valores perdidos, de se acudir a tudo e a todos, a potencialidade económica que acabamos de denunciar, não fique sem a atenção prioritária que se terá de conceder a quanto, esta Revolução, possa constituir factor importante ou vital de recuperação”. O Sindicato dos Toureiros, neste autêntico manifesto de propaganda tauromáquica, tentou recuperar a ideia, defendida pelo Estado Novo, que as touradas deviam constituir um cartaz turístico por ser um espetáculo diferente de todos os outros “Sem que queiramos ser apaixonados, pensamos que na confeção da nossa ‘ementa’, a corrida de toiros é, indiscutivelmente, um prato forte; forte e caro, que o estrangeiro paga sem discutir”. Apesar das contrariedades na agitada temporada de 1974, continuaram a realizar-se corridas de touros no Campo Pequeno e em Cascais, além de outras localidades do Ribatejo e Alentejo como, Coruche, Vila Viçosa, Barrancos e Moura mas sem que alguma vez o espetáculo se tenha tornado um cartaz turístico forte do nosso país.

Já alguns anos antes, o processo de implantação da República em 1910, foi igualmente nefasto para o negócio das touradas. A tourada, não se livrou da sua forte conotação com a fidalguia monárquica, associada a um Portugal atrasado, conservador e retrógrado, pelo que os toureiros da nobreza se afastaram das lides nas arenas. Muitas das novas praças construídas, ficaram ao abandono ou desapareceram.

Muitas praças de toiros do país caíram em ruínas, outras foram demolidas e só, durante o governo do Presidente do Conselho, Dr. António de Oliveira Salazar, se reconstruíram algumas dessas Praças, entre as quais a de Santarém – a maior de Portugal – graças à iniciativa do ex-Ministro Dr. Rafael Duque, e a de Cascais que hoje constitui um magnífico elemento de motivação turística da Costa do Sol”

Barreto, Mascarenhas. “Corrida: Breve história da tauromaquia em Portugal”. Lisboa: Ag. Port. Revistas, 1970.

Invocar a Liberdade para procurar legitimar as touradas é negar a história e a natural evolução para uma sociedade mais justa, consciente e tolerante.

Combinar Liberdade com violência, sangue, sofrimento e morte é por isso depreciar um valor que para nós portugueses tem tanto significado e que associamos a fraternidade, amizade, tolerância e paz. Incutir nas gerações mais jovens que o valor da liberdade pode justificar a prática de atos de crueldade com os animais é insensato e contrário aos princípios de respeito e compaixão pelos animais que a nossa sociedade procura estabelecer junto das crianças.

Liberdade nunca rimou com touradas.

touro antitourada liberdade

Bibliografia:

  • Solilóquio, pseud. “Touros e reação: Crónicas taurinas da temporada de 1974”. Lisboa : Depos. Livr. Petrony, 1975.
  • Sindicato Nacional dos Toureiros Portugueses. “Síntese do valor económico e social da raça bovina brava”. Lisboa : Sind. Nac. dos Toureiros Portugueses, [D.L. 1975].
  • Diário da Assembleia Constituinte nº 112. Sessão nº111 de 11 de Fevereiro de 1976.
  • “Morte ao fascismo o povo vencerá”. Diário de Lisboa (27 de Setembro de 1974).
  • Barreto, Mascarenhas. “Corrida: Breve história da tauromaquia em Portugal”. Lisboa: Ag. Port. Revistas, 1970.
  • Almeida, Jaime Duarte de. “História da Tauromaquia”. Lisboa: Artis, 1951.
  • Machado, Fernão Boto. “Abolição das touradas: projecto de Lei”. Lisboa: Typ. Bayard, 1911.

 

Share Button
Ilhas Baleares proíbem matança de animais em touradas

Jornal Extra - 12 hours ago
O projeto de lei aprovado pela assembleia local...

Ativistas pró-direitos animais protestam contra touradas na Espanha

Globo.com - 3 weeks ago
Manifestantes pró-direitos animais se...

Bloco de Esquerda crítica Póvoa de Varzim por permitir touradas na cidade

Diário de Notícias - 6 days ago
O núcleo do Bloco de Esquerda da Póvoa de...

Meia centena manifesta-se na Póvoa de Varzim contra a realização de touradas na cidade

Diário de Notícias - 3 days ago
Cerca de meia centena de pessoas concentram-se...

Santa Maria da Feira declara-se município livre de touradas

Esquerda - 4 weeks ago
A Assembleia Municipal de Santa Maria da Feira...

News via Google. See more news matching 'touradas'